Zoom (2015)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Desinopselogo2.png

Este artigo é parte do Desinopse, a sua coletânea de filmes rejeitados.

Cquote1.png Você quis dizer: Zoom - Academia de Super Heróis Cquote2.png
Google sobre Zoom (2015)
Zoom é um filme com produção Brasil-Canadá dirigido por Pedro Morelli. Uma co-produção da O2 Filmes com a produtora canadense Rhombus No Orçamentus Media, que mistura Live-action com Animação e uma boa dose de psicodelia.

Roteiro[editar]

Spoiler5.JPG ATENÇÃO! O texto abaixo pode conter (ou não) um ou mais SPOILERS!

Ou seja, além de deixar o artigo com mais pressão aerodinâmica nas retas e mais estável nas curvas de alta, ele pode revelar, por exemplo, que Dunga não fica com a Branca de Neve e sim com o Príncipe Encantado, ou que Wilson cai da jangada e desaparece no mar.

Spoiler3.jpg
Entendeu ou quer que eu desenhe?

Esta é a história de três artistas que acontecem paralelamente e não tem a menor relação entre si: Emma trabalha numa empresa de bonecas infláveis ultrarrealistas e tem que lidar com clientes surtados, tarados e cornos. Ela tem um peguete, Bobo, um mané que só fica com ela porque é feio pra dedéu e sabe que nunca conseguiria nada melhor. O palhaço joga isso na cara de Emma, que se vinga criando o que ela considera um homem perfeito: Edward, diretor de cinema lindo, tesão, bonito e gostosão, fez muito sucesso dirigindo filmes de super-heróis com muita pancadaria e explosão, mas agora quer por que quer fazer um filme intimista, cheio de mensagens subliminares e frescuras desses cineastas que se acham gênios.

A produtora não aceita sua ideia de jerico, mas ele usa seu melhor argumento (que mede singelos 27 centímetros) para fazê-la mudar de ideia. E começa a filmar a história de Michelle, modelo brasileira linda, gostosa e peituda que cismou de escrever um livro. Um véio editor disse que ia ler o que ela estava escrevendo, mas Dale, o namorado e empresário, acha isso uma idiotice e diz pra ela que o véio só quer tirar uma casquinha. Decepcionada com seu mozão, Michelle vai ao Brasil pra trabalhar em sua obra-prima: a vida de Emma, que torra todas as suas economias pra implantar silicone. O resultado fica pior do que o esperado: parecem duas melancias caídas, e ela tenta tirar, mas o cirurgião Doctor Rey cobra o triplo. Aí, Michelle fica sem ideias sobre o que escrever, seus estoques de maconha acabaram, até que ela vê na TV imagens de traficantes tocando o terror em São Paulo.

Então, a desinfeliz coloca Bob pra ser amigo de uns traficantes aí, descolar uma carga de ninguém sabe onde e despachar pra Cochinchina numa das bonecas infláveis falantes. Injuriada com a vida, Emma briga feio com Bob, que vê os quadrinhos do cineasta gostosão e diz umas verdades. Emma fica tristinha e num surto de raiva, apaga o que Edward tem de mais precioso. Inicialmente, Edward não nota nada e continua filmando as peripécias de Michelle. A modelo vai pra balada e toma todas, mas apaga e quando acorda, se depara com Alice, uma hippie dona do albergue onde ela se hospeda. Rola um clima, as duas vão à uma boate GLS e se pegam, no dia seguinte, Michelle vai à praia, vê um casal num vuco-vuco (ninguém menos que Daniella Cicarelli e um namorado), depois tira a roupa e mergulha de cabeça de um penhasco para o mar. Edward mostra suas filmagens pro assistente e personal-puxa saco, que adora as lésbicas (safadinho...) e pra produtora, que detesta o filme, ainda mais depois que Edward diz que o casal da praia eram os pais de Michelle, que em uma jornada de auto-conhecimento ela foi ao lugar onde foi concebida e nem vou perder meu tempo explicando o resto dessa coisa nojenta, só digo que concordo com a produtora.

Edward marca um dia pra convencer a produtora, mas antes vai tirar o atraso com umas gêmeas e quando vai ver, tcharã! O Junior sumiu... Desesperado, Edward vai atrás de vários métodos para fazer crescer de novo, e enquanto isso, Emma e Bob descobrem que a carga deles foi extraviada. A boneca inflável com os bagulhos dentro foi parar na casa de um cliente (o mais chato, tarado e corno do filme) e ela e Bob invadem a casa, mas dá tudo errado e ela só consegue resgatar a cabeça da boneca. Edward é demitido do próprio filme e seu assistente é que fica responsável pelas filmagens. Ele muda tudo: tira a Claudia Ohana, dá chapinha no cabelo de Michelle, coloca Dale de volta para resgatá-la dos traficantes, que são como terroristas tropicais, põe um conversível, um helicóptero e um sequestro na jogada.

Edward tenta voltar ao comando do filme, mas a produtora exige uma bateria de testes do sofá, e Edward vai atrás da mais revolucionária prótese: o Supra-Pennis, que parece e funciona como um verdadeiro, mas derrete em um simples banho de mar. Cada vez mais ferrado, Edward é agarrado à força pela produtora tarada, mas quando ela vai abrir o zíper, tcharã! Junior voltou ao normal. Isso só aconteceu porque Emma se sentiu culpada e achou que todas as desgraças de sua vida começaram quando ela mudou a anatomia de seu homem perfeito. Então, Edward descobre que está num quadrinho e vai tirar satisfações com sua criadora (alô Maurício de Souza!). Ele também descobre que são todos personagens do livro de Michelle e joga na cara de Emma. Nisso, Michelle descobre que está no próprio livro e diz a Dale, que pensa que a namorada pirou de vez e joga o livro fora. Aí, o traficante do filme e o cliente tarado chegam armados, um para buscar a droga que Bob e Emma roubaram dele, e o outro, pra buscar a cabeça da boneca inflável, aí começa um tiroteio, é bala perdida pra todo lado, e Emma leva um tiro nos peitos, mas pega no silicone, que sai e cai na revistinha, borrando os personagens. Edward e os outros do set de filmagens ficam borrados e ele manda Michelle pular - do helicóptero - sem para-quedas - pra resgatar o livro.

Elenco[editar]

  • Gael García Bernal como Edward Daocun
  • Alison Pill como Emma Toyle
  • Mariana Ximenes como Michelle Bündchen-Hickmann
  • Jason Priestley como Dale Dumb
  • Tyler Labine como Bob (Bobalhanílson da Silva)
  • Claudia Ohana como Alice Riponga
  • Don McKellar como assistente puxa-saco do Edward
  • Jennifer Irwin como produtora tarada do filme de Edward
  • Michel Eklund como Tarado do Bigode
  • Clé Bennett como Carl, o personal trainer e traficante nas horas vagas
  • Luisa Moraes como Vendedora da Sex Shop
  • Michelle e Giselle Batista como as gêmeas gostosas

Participações especiais de

Bastidores[editar]

  • Mais uma das tentativas fracassadas de se fazer cinema experimental no Brasil, só que desta vez tivemos a inglória presença do Canadá, que mais atrapalhou do que ajudou.
  • As atrizes globais só toparam fazer o filme porque a Globo Filmes obrigou.
  • Os únicos atores gringos famosos que toparam fazer essa bagaça (Gael García Bernal, o carinha de Barrados no Baile e a menina de Scott Pilgrim) só o fizeram graças ao polpudo cachê e a promessa de uma vaguinha no Oscar.
  • Só não disseram que era o Oscar canadense, que ninguém liga e nem sabe que existe.

Lições que Zoom nos deixou[editar]

  • Um homem feio e gordinho só conseguirá levar pra cama uma mulher com peitos pequenos.
  • Modelos têm que fazer cara de nada em sessões de fotos.
  • Um homem que elogia a inteligência de uma mulher bonita só está pensando naquilo.
  • Um homem que tem uma piroca enoooorme pode ter tudo o que quiser e todas as mulheres o desejam.
  • Mas um homem com um pauzinho menor que um dedo mindinho só fracassa na vida.
  • Implantes de silicone podem dar errado e é mais caro tirá-los do que colocá-los.
  • Não se deve ir à praia usando prótese peniana.
  • Repararam que o único negro do filme é traficante?
  • E que a única brasileira que se deu bem no exterior é loira e tem olhos azuis?
  • Traficantes são como terroristas tropicais
  • Sua maior criação é mais importante que sua vida, então se seu namorado jogar de um helicóptero o livro que você estiver escrevendo, não pense duas vezes, nem para buscar um para-quedas, e pule para resgatá-lo. Mas você só deve fazer isso se estiver num filme, claro.